sábado, 9 de junho de 2012

Veneza, uma paixão

Há muito tempo guardava a esperança de umd ia conhecer Veneza. Via fotos em revistas e em sites, mas não fazia a menor ideia de quando iria conhecer. Cheguei até a brincar com uma amiga dizendo que talvez quandoa certasse na megasena. Tudo isso, por conta da fama que a cidade tem de ser cara. De fato, ficar hospedado em Veneza custa caro e por isso, muitos turistas fazem a opção de ficar em Mestre. Mas essa economia não vale muito a pena. Mestre fica a 20 minutos de Veneza de ônibus e depois você terá que tomar o Vaporeto para deslocar-se. E detalhe: para voltar a mesma coisa. Enfim, paga-se um pouco mais e aproveita-se muito mais da cidade. E eu nem acertei na megasena e fiquei seis noites.

O segundo dia na cidade, contrariando a previsão do tempo, amanheceu com céu azul e sol fraco e um pouco de frio. Saí do Hotel cedo e me dirigi à Estação do Vaporeto - Ferrovia. O bilhete unitário  do Vaporetto é caríssimo, custa 6,50 euros  e vale por 60 minutos.  Por isso, o ideal é comprar um bilhete recarregável, com a quantidade de horas necessárias para os deslocamentos, de acordo com a sua necessidade. Como não iria passar o domingo em Veneza, fiz os meus cálculos e comprei um ticket com validade para 36 horas.  

Um dia antes de viajar, comprei este guia de passeios, com roteiros para explorar Veneza a pé. Super útil e super recomendável. E vocês perguntarão: Se é para conhecer Veneza a pé, então por que você comprou o ticket do Vaporetto? Primeiro, para ser mais rápido e segundo, para ter o prazer de passear pelo Grande Canal.

Passear de Vaporeto é muito agradável. O Hotel Continental (foto acima), foi uma das minhas opções de hospedagem e fica na mesma rua do Hotel Guerrini. É um hotel três estrelas muito confortável, passei lá para conhecer. Mas, quando fui fazer a reserva já estava esgotado. Menos mal, economizei 34 Euros/dia. Fica aí uma outra  sugestão de hospedagem em Veneza. O café da manhã é servido na varanda de frente para o Grande Canal.

E uma outra vantagem: no passeio de Vaporetto você pode tirar essa foto da Ponte Rialto. Apesar de estar com o guia nas mãos, eu não havia lido nada ainda e nem sabia que roteiro seguir. Uma das paradas do Vaporeto é a Accademia, onde fica a Gallerie Della Accademia. Eu resolvi descer para visitar. E como estava ainda na Settimana Della Cultura, não precisei pagar o ingresso de 11 Euros. 

A Gallerie é uma pequena joia em Veneza e deve ser visitada.  O acervo é composto por uma coleção de pinturas que mostra o desenvolvimento da escola veneziana em cinco séculos, do período bizantino e do Renascimento até o pós-barroco. Não podia ter começado o dia melhor, na companhia de Veronese, Carpaccio, Canova, Tintoretto, Tiziano e tantos outros artistas. 

 Esculturas de Canova.
Consegui fazer as fotos - nem tão boas assim - porque não havia ninguém tomando conta da sala. É terminantemente proibido fotografar.


Outra foto que consegui fazer, um grupo ouvia atentamente a guia fazendo uma explanação sobre esse  quadro que reproduz uma procissão na Piazza San Marco. Eu estava sem nada para anotar e agora não recordo mais onome do autor nem o nome do quadro. Alguém pode dar uma contribuição?

E como sempre acontece nesses Grandes Palazzos os tetos sempre são decorados. E você não sabe se contempla as obras ou se fica quase com torcicolo olhando para cima.

.
Terminada a visita, pegeui o Vaporetto rumo à Piazza San Marco para comprar o bilhete para visitar o Palazzo Ducale.


O dia estava perfeito! E como nunca sigo o meu roteiro, antes de ir comprar o bilhete, entrei num pequeno jardim próximo ao Palazzo Ducale. Em meio à multidão de turistas que tomavam Veneza, um lugar tranquilo. 

Inacreditável, completamente vazio. Eu aproveitei e fiz uma pausa, tempo para ler um pouco o guia e fazer um lanche, sempre andava com uma maçã.

Essas peqeunas paradas são necessárias. Visitar museu é uma das coisas mais prazerosas e cansativas que existe. Na hora estamos entusiasmados, mas depois a coluna reclama. Depois do repouso, passei no Palazzo Ducale e comprei o Veneza Museum Pass que dá direito a visitar 12 museus, incluindo o Museo del Vetro em Murano e o Museo del Merletto em Burano. O passe tem validade por 6 meses. O meu passe é válido até 19 de outubro e ainda pode ser usado nos museus que não visitei. Bem que podia voltar, né?

Preferi não entrar direto no Palazzo Ducale, preferi dar mais uma volta e deixar a visita para um outro horário.

A Piazza San Marco lotada de turistas, bem diferente do dia anterior. Veneza durante o dia fica mesmo intrasitável. E depois no final do dia, tudo fica calmo. A explicação: muitos turistas vão à Veneza apenas para passar um dia. E vcoê encontra gente de todos os lugares do mundo.

 A Torre do Relógio

Veneza também tem a sua "La Coupole", mas aqui é uma loja que vende os maravilhosos vidros de Murano. Bem diferente da "La Coupole" de Paris, que é uma Brasserie.
 É uma verdadeira disputa para tirar foto com esses leões. Tinha até fila...rs.

O dia estava radiante e eu nãos abia ainda se visitaria o Palazzo Ducale ou outro museu. Como havia lido um dos roteiros sugeridos no guia, decidi ir até a a Ponte dei Sospiri.

E no caminho fui parando para registrar tudo. Quem tirou esta foto foi uma chinesa. Na hora, a alegre senhora  fez um gesto para que eu abrisse os braços.

E quase, por muito pouco não caio no canal. Logo atrás de mim, a Ponte della Paglia, de onde avistamos a famosa.

Ponte dei Sospiri, ou seja, a Ponte dos Suspiros. Mas a história dessa ponte não é nada romântica. Segundo o guia, "onome 'onte dos Suspiros' se refere às fracas vozes dos condenados que podam ser ouvidas por quem passava ao lado." 
Essa foi uma das diversas fotos que tirei na Ponte della Paglia com a Ponte dei Souspiri ao fundo. Toda vez que passava lai tirava uma diferente. A ponte vive lotada de gente.
E tomei uma outra decisão, ao invés de visitar o palazzo Ducale, fuia té o Museo Correr que conta a história da cidade, através de pinturas, esculturas e objetos.

E próximo ao museu temos uma bela vista da Piazza San Marco com a Basílica de San Marco e o Campanário.

Esta foi uma das poucas fotos qeu fiz no Museu Correr. Tentei outras, mas foi um fracasso. Definitvamente, melhor obedecer o pedido de "no photo". 

Aproveitei para almoçar um risotto ai funghi no Café do Museo Correr. Escolhi uma mesa próxima a janela. E almocei contemplando a Piazza San Marco.


Durante a minha visita ao Museo Correr, o tempo mudou e até choveu. Depois do almoço, fui fazer a visita ao Palazzo Ducale. Nem passava pela minha cabeça o que iria acontecer comigo naquela tarde...

24 comentários:

  1. Jorge, você gosta de um teaser! Já estou curioso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eymard
      Não sou autor de novelas, mas sempre deixo uns ganchos...rs
      Abraços

      Excluir
  2. Jorge, lindas fotos! seu texto inspirador me deu vontade de também conhecer Veneza...um dia ainda irei! abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vivian
      Veenza é uma dessas cidades que todos devem ir ao menso uma vez na vida. E vc virá!
      Beijos

      Excluir
  3. Oi Jorge!
    Além da ótima narrativa desta linda cidade, ainda um suspense para nos deiar mais curiosos.rsss
    Amei Veneza e certamente ainda voltarei.
    Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valéria
      isso faz parte da magia da cidade. Veneza tem o "je ne sais pas quoi" que mexe com a gente.
      Beijos

      Excluir
  4. Jorge
    eu fiquei hospeda em Mestre, bem em frente a estação de trem,num hotel, muito bom, reformadinho, e não achamos ruim não, foi bem tranquilo, pq tem trem a todo instante para Santa Lucia,e rapidinho a gente está lá, ficaria lá novamente sem problema, é muito prático...o vaporeto realmente é muito caro, no primeiro dia não entendemos nada, compramos um ticket e não vimos que valia por um tempo, fomos para Murano e voltamos, só depois vimos que só valia para a ida...foi a maior sorte não ter cruzado com um fiscal,hehehehehe...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Monica
      conheci um casal que ficou em Mestre e também estavam satisfeitos, até porque estavam pagando a metade do preço do meu hotel em Veneza. Eu até pensei nessa possibilidade, mas achei melhor ficar em Veneza. Ficando em Mestre, certamente, não teria feito as caminhadas que fiz em Veneza, uma vez que usaria direto o Vaporetto. Há poucos fiscais nos vaporettos, mas vc sabe, se te pegam em situação irregular é multa na certa.
      Beijos

      Excluir
  5. Jorge
    Estou adorando sua aventura veneziana...
    Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Jorge, não usei o vaporeto para ir até Veneza, só para ir para Murano e Burano...iamos de trem até Veneza e depois só caminhada...realmente a opção por Mestre foi o preço e o estado do hotel, não tive coragem de encarar os de Veneza que cabia no bolso, esse de Mestre minha prima tinha ficado e gostado, qtos reformados e grandes...
    To adorando as fotos pq não entramos em nenhum museo, não deu tempo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veneza tem muitos museus, eu deixei alguns para a próxima visita!
      Beijos

      Excluir
  7. mhranghetti@gmail.com10 de junho de 2012 15:52

    Como sempre um lindo post com um texto esclarecedor e fotos maravilhosas!!!
    Lenna

    ResponderExcluir
  8. Jorge,
    Procurando na internet mais informações sobre Roma,Florença e Veneza (esta ainda não conheço),cheguei aqui.Também sou leitora do CP.Li seus relatos...ri com a chegada pitoresca em Roma...fiquei morrendo de vontade de comer a bisteca Fiorentina(dica anotada)e louca de vontade de chegar em Roma,Florença e Veneza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esperoq eu vc aproveite bastante a sua estadiaa nessas cidades maravilhosas da Itália. Veneza é um encanto!
      Abraços

      Excluir
    2. Obrigada Jorge,voltei,pois esqueci de assinar...
      Jane Mara

      Excluir
  9. Como sempre, ótimas dicas! É bem melhor escolher um hotel fora do formigueiro para assim captar de verdade a essência da cidade. E cada foto, hein? Cenários cinematográficos! E falando em cinema, fechou em clima de suspense, hein? O jeito é aguardar a continuação! hehehe
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rodrigo
      Fiquei num lugar realmente cativante. Veneza é toda cinematográfica. Entao eu tinha que fazer um pouco de suspense...rs
      Abraços amigão!

      Excluir
  10. Conheci Veneza na minha lua de mel, voltei anos mais tarde para apresentá-la ao meu filhote.
    É encantadora sempre, mística e mágica.

    E o que aconteceu a seguir mal posso esperar para saber!!
    a) Você caiu no Grande Canal.
    b) Você não caiu, mas sua máquina fotográfica sim.
    c) Você encontrou algum amigo dando comida aos pombos da praça e foi aquela alegria.
    d)Você resolveu fazer um passeio de gôndola cantando "Da-me um Cornetto!"E foi um sucesso!
    e)Ndra.

    Ahh, Jorge... conta logo!!

    ResponderExcluir
  11. Adriana
    O máximo as suas alternativas, mas vc já viu que não foi nenhuma delas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Jorge

    Veneza para mim é assim como uma miragem de esplendor mágico.
    De dia, à noite, com chuva com sol, na neblina ou sob a neve, que é rara mas acontece. Descobre- se Veneza a pé e ao acaso no labirinto de seus sestieri.
    Campi campielli, calli, calli longa calli large, salizada, rii, fondamenti, sotoporthegi, interstizo. Nos sotoporteghi muitas vezes passa-se agachado e aprendi que interstizio é um beco que pode ser pouco mais largo que meio metro.
    Veneza fascina!
    É como transpor a ordem do universo, sonhar acordado.
    Belisque-se e deixe- se levar numa viagem de dimensão diferente onde sons, cores, aromas e sabores indicam o caminho.
    Pense e observe através dos sentidos.
    No vazio do silencio da noite perceba o bater de passos firmes no calçamento incerto das ruas. Ouça o silvo dos apitos de carabinieri que em dupla protegem o descanso da cidade. O som das águas que balançam as gôndolas e batem continuo e ritmado na mureta do casario. Ao longe notas da Serenata Rimpianto na voz de tenor de um gondoleiro tardio " ...come un sogno d'or scolpito è nel core...il ricordo ancor...di quel amoré che non esiste piu..." o lamento desliza até a janela aberta de meu quarto de hotel. Seguem-se os mugidos dos grandes navios que entram ao porto na neblina serrada. Amanhece e eu acordo para Veneza com o cantar dos sinos de Campanille na Piazza. Meu relato não é sonho!
    Jorge! A culpa é sua e Veneza faz isto!
    Pertinho do hotel atravessava-se para o Dorsoduro usando-se o tragheto o meio mais delicioso de andar de gôndola! Santa Maria del Giglio. Se sua alma for mesmo veneta você vai fazer a travessia em pé como fazem os de casa...e eu já fazia. É parte da aventura!
    Desta vez foi o Hotel Barbarigo mas sempre fiquei mesmo por ali nos arredores de Calle Larga XXII de Marzo.
    Deixa explicar melhor...são só 4 pontes sobre o Canal Grande e 7 pontos de tragheto que fazem a travessia por um "palanca" que hoje corresponde a uma moeda de 0.50€.
    Acho que preciso reviver Veneza urgente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucia este teu comment poderia ser um post! Posso?
      Acredita que eu não fiz essa travessia de palanca... tinha até lido no Blog (Tô indo para a Itália). Atravessei de Vaporetto e depois voltei a pé, atravesando as pontes...rs
      Beijos

      Excluir
  13. Também adorei a múltipla escolha, Adriana!
    Já posso ver Jorge cruzando Gran Canal num tragheto murmurando " coro a boca chiusa " .
    De pé e sorrindo!

    ResponderExcluir

Curtiu a viagem? Então comente e deixei o blogueiro feliz!

Balcão de Perguntas

Nome

E-mail *

Mensagem *