quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Revisitando os clássicos

E chegou o dia 31 de dezembro de 2015. O último dia de um ano bom. Estar em Paris no dia 31 de dezembro para mais um Réveillon, posso dizer, era inimaginável. Paris ainda sofria com o terrível  atentado ao Bataclan - ocorrido em novembro. Lembro que na época quase desisti da viagem, mas não poderia me deixar vencer pelo medo e parti para viver mais esta emoção.
O dia amanheceu lindo, céu azul, sol e muito frio.  
 Rue Saint-Antoine, por volta de 08h30 da manhã
  
Neste dia não programei qualquer visita. Queria aproveitar o último dia do ano fazendo o que mais gosto: flanando sem rumo, ou melhor, quase sem rumo. Na verdade, criei o tour "revisitando os clássicos". São aqueles lugares que marcam, que trazem boas lembranças, são inesquecíveis, são clássicos. Decidi iniciar pela Place des Vosges, uma das mais bonitas de Paris, cercada por esse belo conjunto de prédios. Ali está a Casa de Victor Hugo, o Hotel Pavillon de la Reine e ainda galerias de arte, restaurantes e cafés. 
O Studio que alugo fica a 5 minutos da Place des Vosges, lugar ideal para ver o tempo passar. Coisa rara é ver essa praça vazia. Talvez o horário e o frio explique.
Clicando nas fotos panorâmicas acima, vocês poderão me ver duplicado. Como assim???
Da Place des Vosges, retornei à  rue Saint-Antoine, peguei o ônibus 69 e desci na Pont des Arts, agora livre dos malditos cadeados cafonas.
 Dá gosto passear aqui e ver a ponte assim. Ao fundo, o Musée du Louvre.
E uma pausa para a foto clássica. A Pont des Arts é um daqueles endereços certos para reuniões no final do dia, principalmente na primavera e no outono. Já fiz muitos piqueniques aqui.  
 Da ponte, avistamos o Square du Vert Galant, uma micro ilha no Sena.
 Um outro recanto de tranquilidade, principalmente no inverno. 


E de clássico em clássico, uma caminhada sem pressa me conduziu até a Pont Alexandre III, a minha preferida.
Considero esta ponte um clássico, por conta do charme das esculturas, dos candelabros, das calçadas espaçosas e pelo fato de estar a poucos metros dos imperdíveis Musée des Invalides, Petit e Grand Palais e da movimentada Champs-Elysées.



O último clássico visitado foi o Museu Rodin, decidido no último instante. Não queria visitar o museu, mas o seu belo jardim que guarda, óbvio, belas esculturas do artista. Havia anos que não entrava ali. 
Você pode comprar ticket para visitar só o jardim. O passeio é maravilhoso! 
O prédio da Rue de Varenne foi construído no século XVIII e foi residência de nobres. Na primeira década do  século XX, o imponente edifício teve como locatário Rodin, que ali instala seu atelier. Em 1919, o Musée Rodin é inaugurado.


No meio de tantas obras espalhadas pelo Jardim, chama atenção o conjunto "Monumento aos burgueses de Calais"


 A Porta do Inferno - esta é uma obra monumental, cheia de detalhes.

 As três sombras

E assim finalizei meu tour "Clássico". Desci a Rue de Varenne observando os prédios. Tudo estava tão tranquilo que nem parecia 31 de dezembro.
  


Quase 15hs e parei no Café Varenne para o almoço. Um delicioso Confit de Canard. E depois do almoço, fui caminhando pelo 7éme e agradecendo por estar ali...

***

Anote:
Musée Rodin
79, Rue de Varenne

Café Varenne
36, Rue de Varenne

7 comentários:

  1. Estou adorando conhecer uns lugares e rever outros. Dá Uma saudade!
    Quero mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem fale, estou viajando de novo... e louco pra voltar.

      Excluir
  2. Lindo post, com belas fotos. Gostei do título. Bateu saudade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá MOnica
      Os clássicos são eternos, não é?

      Excluir
  3. Olá, Jorge ... Muito bom que você retornou com seus posts de viagem. Ainda acho que você deveria escrever um livro sobre os lugares que visitou. Um grande abraço e aguardo os próximos.

    ResponderExcluir
  4. Que belo passeio! Linda desfecho para 2015!

    ResponderExcluir

Curtiu a viagem? Então comente e deixei o blogueiro feliz!

Balcão de Perguntas

Nome

E-mail *

Mensagem *